Topo
Copy From China

Copy From China

Agora é a vez da "Wikipedia chinesa" monitorar e classificar as pessoas

Felipe Zmoginski

07/11/2018 06h18

Vitor Zhou, fundador da Zhihu: monitoramento de cidadãos é cada vez maior

Um serviço de "análise de comportamento dos usuários" criado pelo grupo Alibaba, chamado de Sesame Credit, causou surpresa fora da China, no início de 2018, por propor que cidadãos locais fossem avaliados por algorítimos e classificados em um ranking de bom e mau comportamento.

Na prática, a solução do Alibaba analisa as pessoas que compram em sua rede de e-commerce a partir de critérios como seus amigos na mesma rede, tipo de consumo online e uso da internet. O monitoramento é voluntário e só participam dele usuários que concordam em entrar na Sesame Credit. Em troca, os voluntários ganham pontos que podem ser usados como descontos em novas compras online.

O sistema, que prevê organizar consumidores em "ótimas pessoas" e "pessoas medianamente boas" é visto como invasivo e desrespeitoso por parte da opinião pública chinesa e internacional.

Esta semana, porém, novas empresas chinesas de tecnologia anunciaram soluções semelhantes, como a Zhihu, espécie de Wikipedia escrita em idioma chinês.

Fundada pelo ex-jornalista Victor Zhou há sete anos, a Zhihu é considerada uma plataforma essencial para estudantes chineses, que a consideram uma fonte segura e confiável de informações técnicas e científicas.

A diferença principal em relação a Wikipedia é que a enciclopédia exibe anúncios, além de possuir um sistema de assinatura de aulas em vídeo, no modelo Netflix.  Em agosto deste ano, a empresa anunciou a captação de US$ 270 milhões com investidores chineses para financiar sua operação, que conta com um misto de conteúdo gerado por usuários e aulas produzidas por especialistas em ciências como matemática, biologia e literatura chinesa, serviço também chamado de "Zhihu University". Enquanto o acesso aos verbetes de conteúdo gerado pelo usuário é livre e gratuito, o acesso a aulas online é pago.

A partir de dezembro, um algoritmo da Zhihu vai monitorar usuários que voluntariamente concordem com tal medida, permitindo que a empresa os classifique em função do tipo de conteúdo que consomem, o tipo de amigos que possuem dentro da rede Zhihu e a qualidade de suas contribuições.

Usuários que contribuam com verbetes relevantes e que assistam vídeos de aulas consideradas "nobres", como literatura e matemática, terão avaliação mais alta. Quem não produzir verbetes ou o fizer com baixa qualidade ou, ainda, gastar muito tempo pesquisando sobre temas supostamente menos nobres, como games ou viagens, terá pontuação menor.

O ranqueamento de cidadãos por serviços como Sesame Credit e, agora, Zhihu, deve ser compartilhado com autoridades de Beijing, que a partir de 2020 devem implementar um sistema de TI para premiar bons cidadãos, dando preferência a estes para viajar de avião, por exemplo, nos muito disputados voos nos feriadões nacionais da China ou restringindo o acesso de outros cidadãos aos mesmos voos ou passagens de trem-bala se tais forem considerados de "baixa pontuação".

O sistema, embora controverso, é apresentado por autoridades e empreendedores locais como tecnologias que ajudam o país a se tornar mais seguro e produtivo.

A julgar pela adesão de uma empresa importante como a Zhihu ao monitoramento já iniciado pelo Alibaba, esta parece ser uma tendência irreversível – ainda que potencialmente autoritária – do governo e das empresas de tecnologia locais.

Sobre o autor

Felipe Zmoginski é jornalista, foi editor de tecnologia na revista INFO Exame, da Editora Abril, e passou pelos portais Terra e America Online. Foi fundador da Associação Brasileira de Online to Offline e é secretário-executivo da Associação Brasileira de Inteligência Artificial. Há seis anos escreve sobre e organiza missões de negócios para a China. Com MBA em marketing pela FGV, desde 2013 é gerente de marketing e comunicações do Baidu no Brasil, companhia líder em buscas na web na China e soluções de inteligência artificial em todo o mundo.

Sobre o Blog

Copy from China é um blog que busca jogar luzes sobre o processo de expansão econômica e desenvolvimento de novas tecnologias na China, suas contradições, falhas e oportunidades que são geradas para brasileiros que se interessam por consumir soluções tecnológicas inovadoras e compreender a ascensão da nação pobre que se tornou potência mundial em menos de três décadas.