Topo
Copy From China

Copy From China

Sistema de crédito social chinês funciona porque o povo gosta de vantagem

Felipe Zmoginski

13/08/2019 04h00


Pedestres e motoristas identificados: não há lugar onde se ocultar na China

O sistema digital que ranqueia os cidadãos chineses, classificando-os em bons, maus, confiáveis ou perigosos tem gerado enorme discussão pelo mundo. Para muitos estudiosos de China, trata-se da materialização dos cenários distópicos apresentados séries como "Black Mirror" ou em livros como "1984". A verdade, até agora, é que o sistema não tem sido tão mau, embora apresente potencial para ser até mais opressor do que a realidade proposta nas séries de ficção científica.

Sistemas que classificam cidadãos não são uma invenção chinesa. No Brasil, quem tiver o CPF na lista de inadimplentes do Serasa não poderá pedir empréstimos. Mesmo quem tem o nome limpo pode receber mais ou menos crédito de instituições financeiras de acordo com seu "relacionamento" com o banco, nome ensaboado para um sistema de ranqueamento dos correntistas. Ao andar de Uber ou alugar uma casa via Airbnb, somos, usuário e prestadores de serviço, mutuamente avaliados. Se sua pontuação for baixa demais, você está fora do jogo.

Na China, desde 2007 estão em teste diferentes sistemas que conferem pontuações a seus cidadãos. Ao contrário do que diria o senso comum, os sistemas não são centralizados ou controlados por Pequim. Ao menos por enquanto. Todos os sistemas são voluntários; ou seja, o cidadão opta por entrar neles, esperando beneficiar-se de vantagens, e a maior parte dos rankings de classificação são tocados por empresas privadas.

O mais famoso deles é o Sesame Credit, criado pelo grupo Alibaba. Estima-se que 400 milhões de chineses, voluntariamente, tenham aderido ao Sesame. Neste ranking, seus hábitos online são criteriosamente avaliados, e ter boas notas significa vantagens como comprar com mais desconto ou ter preferência na entrega de produtos. Gastos com livros ou itens para crianças, como fraldas, são avaliados positivamente. Passar tempo demais em jogos online ou comprar cigarros e álcool, por outro lado, te faz ter má avaliação. Outras empresas privadas possuem sistemas similares. O Zhihu, uma espécie de Quora ou Wikipedia chinês, dá muitos pontos a quem compartilha seu conhecimento e tira pontos de quem só consome conteúdo avaliado como fútil.


Jovens exibem sua pontuação: namoro e emprego facilitado para bons cidadãos

No último ano, algumas prefeituras de cidades médias iniciaram seus próprios sistemas de ranqueamento. Ajudar a instalar uma tabela de basquete em sua comunidade, oferecer-se para varrer as ruas ou ir a asilos contar histórias a idosos rende pontos. Ouvir música alta no metrô, furar o farol vermelho ao dirigir ou envolver-se em uma bebedeira faz o cidadão perder pontos. A fama dos rankings sociais levou até o app de namoro Baihe, uma espécie de Tinder chinês, a exibir, de forma voluntária, os pontos de cada "match" nos sistemas sociais. Assim, além de conferir a aparência de seu possível "crush", é possível checar o quão bom cidadão ele é.

De um modo geral, as pessoas aderem ao sistema de crédito por ver vantagens nele. Algumas empresas, por exemplo, dão preferência a fazer entrevistas de emprego com jovens que tenham boa pontuação social. Os chineses têm aderido ao sistema também por acreditarem contribuir para a organização mais eficiente e honesta da sociedade. Estelionatários, valentões ou simplesmente pessoas mal-educadas, que jogam papel no chão ou atravessam fora da faixa, terão sua ação mais limitada em uma sociedade ultravigiada.

Mesmo em ritmo de testes, 25 milhões de cidadãos já foram punidos por ter má pontuação e 13,5 milhões seguem na "black list" dos sistemas sociais. Entre as punições mais comuns estão a proibição de comprar passagens aéreas nos feriadões chineses ou mesmo bilhetes para os modernos trens-bala do país. Só este ano, 20,5 milhões de passagens aéreas e 5,7 bilhetes de trem foram cancelados para punir cidadãos com baixa pontuação.

Embora na China o tema não tenha grande repercussão, fora do país muitas são as críticas ao sistema. Para analistas especializados em China, o principal perigo do credit score é o fato de ele não ser transparente e "maus cidadãos" não terem a quem recorrer. Para estes observadores, além de criar uma sociedade mais ordeira e solidária, os sistemas de crédito social podem ser tornar uma opressora ferramenta de dominação do regime chinês. Ou, ainda, permitir, na prática, a criação de classes de cidadãos, como os altamente avaliados ou o grupo dos "notas baixas".  Uma perspectiva tão sombria quanto os piores momentos de "Black Mirror".

Sobre o autor

Felipe Zmoginski foi editor de tecnologia na revista INFO Exame, da Editora Abril, e passou pelos portais Terra e America Online. Foi fundador da Associação Brasileira de Online to Offline e secretário-executivo da Associação Brasileira de Inteligência Artificial. Há seis anos escreve sobre China e organiza missões de negócios para a Ásia. Com MBA em marketing pela FGV, foi head de marketing e comunicações do Baidu no Brasil, companhia líder em buscas na web na China e soluções de inteligência artificial em todo o mundo.

Sobre o Blog

Copy from China é um blog que busca jogar luzes sobre o processo de expansão econômica e desenvolvimento de novas tecnologias na China, suas contradições e oportunidades. O blog é um esforço para ajudar a compreender a transformação tecnológica da China que ascendeu da condição de um país pobre, nos anos 80, para potência mundial.