Topo
Copy From China

Copy From China

Após empresas, universidades brasileiras vão à China estudar inovação

Felipe Zmoginski

16/10/2019 04h00

Times da USP e Unicamp discutem mobilidade urbana na Didi

A ascensão econômica (e tecnológica) da China atraiu, nos últimos cinco anos, enxames de executivos, investidores e gestores brasileiros, que foram ao país asiático visitar empresas e conhecer modelos de negócios.

Líder mundial em uso de pagamento móvel (com celulares), patentes 5G e sede de engenhosos modelos de economia compartilhada, a China tornou-se uma espécie de bússola para o futuro dos negócios digitais. O protagonismo chinês para inovação agora parece furar a bolha do universo corporativo e atrair também o setor acadêmico brasileiro.

A busca das universidades do Brasil é por referências chinesas para modelos de cidades inteligentes, uso de energias renováveis e superar desafios onipresentes em grandes metrópoles, como segurança pública e mobilidade urbana.

No último mês, a Unicamp e a USP, duas das mais importantes universidades brasileiras, enviaram a Pequim um grupo de 12 representantes, entre professores e alunos de graduação e pós-graduação, em um programa de colaboração tecnológica desenhado por universidades chinesas, governo local e a Didi –maior empresa de mobilidade urbana do mundo que, no Brasil, controla a 99.

Segundo Miguel Jacob, gerente de políticas públicas da 99, a imersão permitiu às equipes brasileira e chinesa trocarem informações sofre desafios comuns de mobilidade em suas cidades e proporem soluções conjuntas. "Há muitas diferenças entre a realidade e a cultura dos dois países, mas há também muitos pontos de sinergia, como os desafios para tornar as viagens mais seguras e a integração entre diferentes modais de transporte", afirma Jacob.


Culturas distintas, objetivos comuns: todos querem chegar em casa mais cedo

Algumas das tecnologias da Didi testadas pelo grupo brasileiro foram o uso em um único app de diversas formas de transporte para além do táxi e carro privado, incluindo bicicletas elétricas e o pagamento de ônibus e metrô. Nas grandes cidades chinesas, os dados de mobilidade captados pelos carros a serviço da Didi são usados também para gerir, em tempo real, o tempo de abertura e fechamento dos semáforos, ajustando o fluxo ao volume de tráfego.

Desafio permanente das empresas de transporte, a segurança dos passageiros passou a contar, na Didi, com uma camada adicional de segurança, que faz uso de reconhecimento facial para verificar a identidade dos motoristas. Todos os dias, antes de iniciar o trabalho, o app da Didi exige que o motorista escaneie seu rosto com a câmera do celular, o que o impede, por exemplo, de ceder o carro a terceiros. A checagem pode ser feita, de forma randômica e automática, ao longo do dia.

Em regiões como Xangai e Beijing, sistemas de aprendizado de máquina analisam o histórico de viagens dos passageiros e passam a recomendar, diariamente, os melhores pontos de localização para início de viagem dos carros. Na prática, este recurso diminui o tempo de espera dos passageiros e eleva a produtividade dos motoristas, que rodam menos tempo sozinhos.


Táxis autônomos da Didi: testes já ocorrem na periferia de Xangai

De acordo com Miguel Jacob, o setor de mobilidade urbana vem se transformando rapidamente em todo o mundo e o fato de a Didi ter se tornado uma empresa global, com operações no Brasil (via 99), México, Austrália e Chile, auxilia a adoção mais rápida de melhores práticas, além de um uso mais intensivo de inteligência artificial e aprendizado de máquina na mobilidade urbana.

Entre as tendências para o setor projetadas a partir da experiência chinesa estão a substituição de veículos movidos a combustão por frotas elétricas e a ascensão de veículos autônomos, também em testes na China.

Sobre o autor

Felipe Zmoginski foi editor de tecnologia na revista INFO Exame, da Editora Abril, e passou pelos portais Terra e America Online. Foi fundador da Associação Brasileira de Online to Offline e secretário-executivo da Associação Brasileira de Inteligência Artificial. Há seis anos escreve sobre China e organiza missões de negócios para a Ásia. Com MBA em marketing pela FGV, foi head de marketing e comunicações do Baidu no Brasil, companhia líder em buscas na web na China e soluções de inteligência artificial em todo o mundo.

Sobre o Blog

Copy from China é um blog que busca jogar luzes sobre o processo de expansão econômica e desenvolvimento de novas tecnologias na China, suas contradições e oportunidades. O blog é um esforço para ajudar a compreender a transformação tecnológica da China que ascendeu da condição de um país pobre, nos anos 80, para potência mundial.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Copy from China